CENSURA, DITADURA, POLITICAMENTE CORRETO

Seguidores

quarta-feira, 5 de julho de 2017

SENADORA AUSTRALIANA FALA SOBRE IMIGRANTES MUÇULMANOS - PAULINE HANSON



"Agora estamos em perigo de ser inundados por muçulmanos, com sua cultura e ideologia, incompatíveis com a nossa.  Amo minha pátria, sua cultura e modo de vida. É sobre pertencer, respeitar e comprometer-se a lutar pela Austrália. Isto não pode ser trocado ou abandonado por causa de diversidade e tolerância. Tolerância deve ser mostrada àqueles que vêm a este país em busca de um novo modo de vida. Se você não está preparado para tornar-se um australiano e dar a este país devotada lealdade, obedecer nossas leis, respeitar nossa cultura e nosso modo de vida, então sugiro que volte para o lugar de onde veio. 

A Austrália é um país predominantemente cristão, mas nosso governo é laico. Nossa constituição proíbe impor regras e ensinamentos religiosos. A separação entre Igreja e Estado tornaram-se um componente essencial de nosso modo de vida. Qualquer coisa que ameace esta separação, também ameaça nossa liberdade. Por que então o Islã e seus ensinamentos têm tal impacto na Austrália como nenhuma outra religião tem? 

O próprio Islã se descreve como uma teocracia. O Islã não acredita em democracia, liberdade de expressão, liberdade de imprensa, ou mesmo liberdade de reunião. Não separa religião de política. É em parte uma religião, mas é muito mais que isso, tem uma agenda que vai muito além da área religiosa, ela regulamenta a vida social e doméstica dos mulçumanos, seu sistema legal e político, a totalidade de suas vidas.  

A Austrália está assistindo agora mudanças em regiões de predominância mulçumana, onde não há tolerância a estrangeiros, as leis são desrespeitadas e as prisões tornaram-se fontes de recrutamento de radicais muçulmanos. Comportamento antissocial é frequente, alimentado por uma cultura machista e misógina. Pesquisas sociais indicam que vizinhanças de comunidades muçulmanas estão passando por colapsos em sua coesão social e temem ações criminosas. Australianos em geral estão mais temerosos.

Terrorismo não é mais só visto em outros países, mas agora é parte da nossa sociedade com muçulmanos envolvidos no ataque ao "Café Lindt", no assassinato de Curtis Cheng em Sidney e no esfaqueamento de dois policiais em Melbourne. O Grande Mufty e outros líderes muçulmanos fazem-se de surdos ou ficam em silêncio por falta de simpatia (com as vítimas). A radicalização está acontecendo em nossas ruas, subúrbios e em mesquitas.

Ainda assim nossos líderes pedem que sejamos tolerantes e apoiemos os bons muçulmanos Mas como vamos saber a diferença deles? Não existem indicadores dizendo: "bom muçulmano" e "mau muçulmano" Quantas vidas ainda serão perdidas ou destruídas tentando descobrir quem é bom e quem é mau?

Mulçumanos querem ver a Lei Islâmica (Sharia) implantada na Austrália Essa lei é um código civil totalitário que estalebece duas regras sobre tudo impostas inicialmente aos muçulmanos, depois para todos. Como o Islã é considerado uma religião, a Sharia conflita com nosso estado laico. Australianos deram suas vidas protegendo nossa terra contra conquistadores estrangeiros. Posso assegurar que não queriam ir à guerra, sabiam ser o dever deles garantir que seus entes queridos vivessem em paz, mas o mais importante é que lutaram pela liberdade. Alerto este governo e governos futuros: "Você não sente a falta de água até que o poço fique seco"

O discurso da senadora australiana Pauline Hanson revela porque a imigração muçulmana deve ser contida.
http://www.vistadireita.com.br/blog/muculmanos_respeitem_nossa_cultura/
*
Pauline Hanson's maiden speech to the Australian Senate – full text
"I love my country, culture and way of life. My pride and patriotism were instilled in me from an early age when I watched the Australian flag raised every morning at school and sang the national anthem; watching our athletes compete on the world stage, proud to salute the Australian flag being raised to honour them as they took their place on podiums. It is about belonging, respect and commitment to fight for Australia. This will never be traded or given up for the mantras of diversity or tolerance. Australia had a national identity before federation, and it had nothing to do with diversity and everything to do with belonging. Tolerance has to be shown by those who come to this country for a new way of life. If you are not prepared to become Australian and give this country your undivided loyalty, obey our laws, respect our culture and way of life, then I suggest you go back where you came from. If it would be any help, I will take you to the airport and wave you goodbye with sincere best wishes.'
https://www.theguardian.com/australia-news/2016/sep/15/pauline-hansons-maiden-speech-to-the-australian-senate-full-text
*
PAULINE HANSON
https://www.facebook.com/PaulineHansonAu/

***
Um pouco do que Olavo de Carvalho divulga em vídeos e textos poderia alertar a Europa, EUA e Austrália para o fato de que esses políticos e militantes que defendem o politicamente correto são apoiados dinheiro ilícito e mil ilegalidades, que bastaria rastrear e investigar para juntar 2+2 e desvendar o esquema todo.
Trotsky não disse que a esquerda leva vantagem sobre a direita porque não é limitada pela moralidade? Pois é, a "vantagem" é tb um calcanhar de Aquiles, pois enquanto houver um pouco de Estado de direito, eles podem ser investigados, julgados e condenados.

***

Lembrando que a ONU promoveu o controle de natalidade na Europa - Documento da ONU revela o plano de 2000 para impulsionar a migração maciça http://jornalcelestial.portaldosanjos.net/2017/07/conspiracao-para-substituir-europeus.html

OBAMA TRABALHA PARA O ISLÃ
https://www.facebook.com/959001587499387/videos/1466973273368880/

***
ONDE A ESQUERDA PÕE A MÃO, A CALAMIDADE É A MESMA
PORTUGAL, UMA VENEZUELA NA EUROPA
Portugal é governado por uma coligação de leninistas com sentido de oportunidade e de oportunistas com nostalgias totalitárias. O que nos está a acontecer é o percurso fatal em qualquer arranjo do género. Começa-se em euforia, avança-se para a estupefacção, saltita-se para a raiva e termina-se em desgraça, porque semelhante malformação não poderia terminar de maneira diferente. O simbolismo da recente manifestação de apoio ao sr. Maduro, em Lisboa, não é desprezível.
https://otambosi.blogspot.com.br/2017/07/portugal-venezuela-da-europa.html

***
 
"Sempre que meia dúzia de transeuntes são trucidados numa cidade europeia, a primeira fase consiste em proclamar que nada indica tratar-se de um acto terrorista. Numa segunda fase, aceita-se que, se calhar, até foi um acto terrorista. A terceira fase implica atribuir a matança exclusivamente à arma utilizada, seja um pechisbeque explosivo, uma faca ou um camião (a frase “camião abalroa X pessoas” tornou-se um clássico do jornalismo cauteloso e da dissimulação). Na quarta fase, descobre-se, não sem algum espanto, que o explosivo, a faca ou o camião tinham alguém a manobrá-los, embora haja pressa em adiantar que as motivações do manobrador permanecem obscuras. Na quinta fase, o espanto redobra quando se percebe que o nome do homicida é Abdullah, Ahmed, Ali, Assan, Atwah, Aymen (noto que ainda não chegamos aos “bb”) ou algo com ressonância pouco latina, anglo-saxónica ou asiática. A sexta fase envolve um questionário aos conhecidos de Abdullah, que o caracterizam como uma jóia de rapaz. Na sétima fase, suspeita-se que a jóia afinal viajara recentemente para a Síria e participava em “sites” de ligeira influência “jihadista”, onde jurava matar os infiéis que se lhe atravessassem à frente (uma promessa literal no caso da utilização de camiões). A oitava fase decide que Abdullah se “radicalizara”, ou seja, jurara devoção ao Estado Islâmico, a que chamamos Daesh só por pirraça. A nona fase estebelece que Abdullah, ele mesmo um infeliz afectado por distúrbios psiquiátricos ou discriminação social ou ambos em simultâneo, não representa o islão, por muito que o próprio afirme aos berros o contrário. A décima fase é essencial: aos tremeliques, o poder político declara que nunca cederá ao medo; os jornais desenham capas giras e vagas a propósito; o povo sai à rua a cantar o “Imagine” ou fica no Facebook a “solidarizar-se” com as vítimas sem referir os culpados.
Talvez para evitar esta trabalheira, certa escola de “pensamento” propõe com crescente insistência uma nova forma de noticiar o terrorismo islâmico: além de se negar que é islâmico, convém nem sequer noticiar o terrorismo."
 
Mais em:
O TERRORISMO ISLÂMICO NUNCA EXISTIU

****
A Hungria acaba de criar uma força especial para proteger as suas fronteiras dos imigrantes que está gerando polêmica dentro e fora do país. Tratam-se dos “Caçadores das Fronteiras” (Border Hunters), as novas forças de segurança húngaras que recebem um treinamento expresso para deter os imigrantes e refugiados que chegam à fronteira do país. A iniciativa é parte da implacável política anti-imigração do primeiro ministro Viktor Orban.
http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2017-07/governo-hungaro-emprega-cacadores-das-fronteiras-para-frear-imigrantes
 
 ****

" O policiamento da esfera pública com o intuito de suprimir opiniões “racistas” causou uma espécie de psicose pública, uma sensação de andar na ponta dos pés em um campo minado, desviando-­se de bombas de ódio que podem explodir na sua cara. E essa bomba foi plantada e preparada por pessoas muitas das quais vêem na acusação de racismo uma forma útil de minar a crença em nosso país e sua forma de viver. Consequentemente a polícia, funcionários públicos, vereadores e professores têm hesitado em pensar da forma como eles sabem ser a verdade, ou agir contra aquilo que eles sabem ser errado. Vemos isso nos casos de abuso sexual ocorridos em Rotherham e outros lugares, onde a relutância em destacar uma comunidade imigrante como criminosa fez com que devidas atitudes não fossem tomadas."
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2017/05/liberdade-de-expressao.html

 ****

ESTRATÉGIA POLITICAMENTE CORRETA
"A estratégia globalista no quesito "raças" é simples: Fomentar o racismo negro até o limite do paroxismo genocida e rotular de nazista quem quer que diga algo contra isso." Olavo de Carvalho
https://www.facebook.com/olavo.decarvalho/posts/10155547063822192

INVERSÃO COMUNISTA - ALERTA DE OLAVO DE CARVALHO - "Onde quer que os esquerdistas acusem alguém de algum crime, vocês podem ter certeza: eles o cometeram primeiro ou planejam cometê-lo em seguida. Isso é infalível."

https://www.facebook.com/carvalho.olavo/posts/878820378936704 


ESTA CENSURA É A ARMA DOS GRANDES CONTRA OS MUITOS, é a última defesa dos que têm poder mas não têm razão nem os fatos a seu favor. Não têm credibilidade para convencer, embora tenham todos os recursos. Então a censura politicamente correta é a censura à verdade, à maioria e à própria normalidade. É feita para calar, amarrar, demonizar e, por fim, exterminar opositores. É feita para aleijar e incapacitar a consciência. Não se entende a esquerda sem estudar PSICOPATAS NO PODER.
MAIS EM:
LULA QUER CENSURA
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2017/08/lula-quer-censura.html
*
O POLITICAMENTE CORRETO NOS CEGA PARA O PERIGO - Eles simplesmente resolveram eliminar a verdade como critério válido. O que me espanta é que: 1- A mentira é a língua oficial dos governos hoje e eles já não se preocupam se todos estão reparando que o "rei está nu". Eles sabem que não estão sendo acreditados, mas vão empurrando a farsa adiante; 2 - Por que isso não dá o sinal de alarme na sociedade? Se a mentira está instalada confortavelmente à vista de todos tem uma coisa MUITO errada, é sinal de que o MAL está no comando.   

Não lembro se foi no livro PEQUENA HISTÓRIA DA DESINFORMAÇÃO, ou se foi no PONEROLOGIA, PSICOPATAS NO PODER, ou em outro, que li sobre a falsificação científica e a depredação metódica do conhecimento acumulado em milênios, praticadas em regimes comunistas, cujo objetivo ainda é aniquilar a noção de verdade e uniformizar as obedientes consciências. Isso está acontecendo aqui, agora. Onde esses malditos tocam, confundem deliberadamente verdade e mentira e pretendem fazer do mundo uma Torre de Babel onde ninguém distingue o que é verdadeiro ou falso , bom ou mal, onde só o PODER será ouvido.

 "Chegará o dia em que teremos que provar ao mundo que a grama é verde." E esse dia é hoje, agora. Mas o que espantaria ainda mais Chesterton é que pode chegar o dia em que NÃO poderemos provar que a grama é verde, pois com  ajuda do MPF, legislativo e STF, alguns provarão que ela é vermelha e quem afirmar o contrário será acusado de preconceito, crime de ódio e incitação à violência. Muita gente acha que o politicamente correto é apenas um código informal exercido por pressão social. Mas ele já passou dessa fase, já determina ações governamentais, criação de novos crimes, subjetivos, leis e punições para pessoas inocentes e desculpas para os culpados.

Não foi o que aconteceu ao "DIREITA SÃO PAULO"? Foram acusados de PRECONCEITO pelo MPF por protestarem contra a lei de migração. Pré-conceito é um comportamento irracional e não uma resposta justa a fatos presentes. Mais irracional e inexplicável é uma lei que despreza os fatos e inventa uma realidade paralela. A fórmula deles é: fabricar o mal e punir a reação natural a ele. Isso sim é perversidade, é crime de ódio, é brasileirofobia.

E este é mais um motivo embutido no protesto: qual a credibilidade de uma lei produzida por corruptos? Aqueles que estão fazendo leis brasileirofóbicas não são os mesmos traidores que, sem um pingo de sentimento humanitário, depredam o Brasil? Em que medida essas leis não estão subordinadas ao esquema de corrupção sistêmica para conquista de poder? Não existe uma relação de subserviência desses políticos à ONU e organizações internacionais com sua agenda globalista para dissolver fronteiras, soberanias e identidades nacionais? Por que as investigações são sempre parciais e não abordam essas questões que hoje já são muito mais que teorias? Então, a primeira suspeita recai sobre as reais intenções dos políticos. Antes das leis, antes dos terroristas, do tráfico nas fronteiras, o maior perigo são os traidores e incompetentes no poder.  
  
*
É o mesmo modus operandi do movimento desarmamentista: AMARRAM AS VÍTIMAS COM LEIS POLITICAMENTE CORRETAS e favorecem os predadores e destruidores autodeclarados, e depois ainda põem a culpa NAS VÍTIMAS! Nenhum povo ocidental convidou estes estrangeiros de hábitos e crenças intolerantes e incompatíveis com a liberdade democrática. Quem o fez, sorrateiramente, foram os políticos e o Estado que agem às ocultas porque SABEM que não têm o consentimento da sociedade que fingem representar. Uma medida tão impactante sobre ela mereceria um longo e HONESTO estudo, debates e explicações DIVULGADOS em toda a imprensa, e um PLEBISCITO!
Mas o que eles fazem? Conluios. Só muita ocultação e desonestidade, pra dizer o mínimo, é que pode resultar num "DEBATE" público de discurso único que mente sobre a sociedade brasileira e a islâmica. Neste "debate" unilateral os "especialistas" defendem que aqui no Brasil vai ser diferente da Europa porque nós somos bonzinhos, tolerantes e todos somos descendentes de imigrantes. Querem dizer que a responsabilidade pelo comportamento hostil dos imigrantes é a hostilidade do europeu? Que isso justifica e desculpa toda e qualquer agressão? Querem dizer que estão cientes de que vão implantar bombas-relógio e minas, mas que elas não têm perigo porque não vão explodir se você for bonzinho e souber pisar de mansinho? E, sem considerar a História, jogam com uma "dívida" que os brasileiros teriam com imigrantes? Como se o Brasil NUNCA pudesse se tornar uma nação com identidade própria, sempre devendo deixar as fronteiras abertas? Estes representantes eleitos não estão TRAINDO seus eleitores? Quero ver se essas idéias, expostas preto no branco, racionalmente, se sustentam confrontadas com lógica, fatos e provas. Por que, por exemplo, os motivos humanitários nunca motivaram a trazer preferencialmente os cristãos que estão sendo ferozmente DIZIMADOS por muçulmanos? O estopim para esses ataques é o preconceito dos cristãos? Não, é o próprio cristianismo, pois por onde passam os muçulmanos convertem pela espada. Alguns querem nos convencer que os radicais são minorias, não representam "os muçulmanos em geral", mas o que não é dito é que essas minorias sanguinárias intimidam a maioria complacente, embasadas na sua escritura.
*
A INFORMAÇÃO NÃO ESTÁ CHEGANDO AONDE DEVERIA. AJUDE A DRIBLAR A CENSURA NAS REDES: COMPARTILHE OU REPUBLIQUE MUITO MAIS.  Nada disto estaria acontecendo se a informação estivesse circulando normalmente, se não houvesse excesso de mentiras e escassez de verdades em circulação. Lei de migração, corrupção, esquerda dominando só acontecem onde a mentira reina, onde a informação está sendo controlada por governos e esquerdistas na imprensa. Nosso problema hoje é a falta de VERDADE no mundo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário