CENSURA, DITADURA, POLITICAMENTE CORRETO

Seguidores

sábado, 9 de novembro de 2013

REVOLUÇÃO DE INTELECTUAIS - PATRULHAS IDEOLÓGICAS - JOSÉ GUILHERME MERQUIOR


 


A seguir um excerto do livro HISTÓRIA CONCISA DA REVOLUÇÃO RUSSA, de Richard Pipes, focalizando o papel desastroso dos intelectuais que transformam reinvindicações populares justas em revoluções sangrentas e regimes totalitários.

"A primeira revolução moderna ocorreu na França. Em sua fase inicial, o movimento foi espontâneo e inconsciente: em junho de 1789, quando os representantes dos três Estados fizeram o "Juramento do Jeu de Paume", ato de desafio que desencadeou a Revolução, o que se tinha em vista era uma "regeneração nacional". Ocorre que a herança rebelde passou às mãos de ideólogos que viam no colapso da monarquia uma oportunidade única para pôr em prática os ideais do Iluminismo — algo muito além do escopo político limitado das revoluções inglesa e americana, aspirando nada menos do que à criação de uma nova ordem social e, mesmo, uma nova geração de seres humanos. No poder, os jacobinos imaginaram e puseram em prática medidas que por sua ousadia de concepção e brutalidade de execução anteciparam o regime comunista na Rússia. Daí em diante, "revolução" aludiu a planos grandiosos de transformação do mundo — não mais a mudanças que aconteciam, mas a mudanças que se realizavam.  

"No século XIX, a Europa testemunhou a emergência de revolucionários profissionais, intelectuais que devotavam tempo integral ao estudo da história de levantes anteriores, à procura de linhas mestras táticas e à análise de sua própria época, em busca de sinais de rebelião; quando os movimentos se desencadeavam, eles intervinham, procurando conduzir os sentimentos voluntários em objetivos conscientes. Esses intelectuais radicais anteviam um futuro marcado por conflitos violentos e o progresso condicionado à destruição do sistema tradicional de relações sociais. Sua meta era liberar a "verdadeira" natureza dos homens, suprimida pela propriedade privada e pelas instituições dela derivadas. Comunistas e anarquistas imaginaram a revolução como um processo de completa transformação, não só de toda ordem política e socioeconômica preestabelecida, mas da própria existência humana. Segundo Liev Trótski, o que eles queriam era "virar o mundo".  

"Essa tendência alcançou o apogeu na Revolução Russa de 1917. Embora o colapso da monarquia tenha decorrido de fatores internos, os bolcheviques, vencedores da batalha pós-czarista pelo poder, eram internacionalistas, adeptos de idéias comuns a todos os intelectuais radicais no Ocidente. Eles não assumiram o poder para mudar a Rússia, mas mudar o mundo, vendo seu próprio país como o "elo mais fraco na cadeia do imperialismo", nada mais que um trampolim para um levante global que alteraria totalmente a condição de vida dos povos, para reencenar o sexto dia da Criação.

"Todas as revoluções pós-1789 tiveram causas numerosas e complexas. Influenciados pela ideologia socialista e pelo modo de pensar sociológico, os observadores do século XX tendem a atribuí-las às reivindicações das massas, a atos de desespero, não passíveis de julgamento. Nos países anglo-saxões, em que a polarização ideológica nunca foi muito forte, esse pensamento atraiu muitos estudiosos. Mas a noção de que toda revolução é inevitável e, por conseguinte, justificada, é apenas em parte verdadeira. Claro que em um país cujo governo esmera-se em refletir os desejos da maioria do povo, onde os gabinetes se sucedem pacificamente ante os votos de desconfiança e reina a prosperidade, revoluções violentas são desnecessárias e improváveis; cada eleição é uma sublevação incruenta. Mas esse truísmo não referenda seu oposto: que, por meio de levantes violentos, a população sempre pretenda uma mudança completa do sistema político e econômico — isto é, uma "revolução", no sentido jacobino e bolchevique do termo. Historiadores observam que rebeliões populares são conservadoras, objetivando a restituição de direitos tradicionais injustamente cancelados; mirando o passado, suas intenções são específicas e limitadas. Os cahiers des doléances — listas de queixas — apresentados pelos camponeses franceses, em 1789, e, com outro nome pelos camponeses russos, em 1905, elencavam reivindicações concretas que o sistema vigente bem poderia ter satisfeito.

"São os intelectuais radicais que transformam as demandas imediatas em uma força destrutiva que tudo consome. Eles não desejam reformas, mas a obliteração completa do presente, para criar uma ordem inédita, fundamentada numa mítica Idade Dourada. Originários em sua maioria da classe média, os revolucionários profissionais consideram-se os únicos a expressar os verdadeiros interesses das "massas", cujas modestas reivindicações eles desprezam. Pela insistência de que nada pode ser mudado para melhor a menos que tudo seja mudado, convertem as revoltas populares em revoluções.  

"Essa filosofia, mistura complicada de idealismo e luxúria pelo poder, abre as portas a um conflito permanente. E uma vez que a sobrevivência das pessoas comuns vincula-se a um ambiente estável e previsível, todas as revoluções  pós-1789 têm terminado em desastre. 

"Demandas populares, portanto, explicam apenas em parte as revoluções, que não se realizam sem a infusão de idéias radicais. Seria difícil imaginar as revoltas que sacudiram a Rússia depois de fevereiro e 1917 sem o colapso da ordem pública, pressionada por uma Guerra Mundial que o governo em exercício não podia enfrentar. 

"O que levou país a uma torrente sem limite da utopia extrema foi o fanatismo dos intelectuais que, em outubro de 1917, tiraram vantagem da crescente anarquia para assumir o poder em nome do "povo", sem ousar uma única vez sequer, nem então ou durante os setenta anos seguintes, obter um mandato popular. 

"A Revolução Russa constituiu-se no acontecimento mais importante do nosso século. Não só desempenhou um papel decisivo em impedir a restauração da paz depois da Primeira Guerra Mundial, como teve relação direta com o surgimento, na Alemanha, do nacional-socialismo e com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, que o triunfo do nazismo tornou inevitável. Após a vitória dos Aliados, em 1945, o regime comunista que emergira da Revolução manteve o mundo em um estado de tensão permanente, chegando às vezes à iminência de outro conflito global. "

(...) 

A INTELLIGENTSIA

"Por que usar o termo — intelligentsia — quando dispomos de palavras como "intelectuais", ou "intelectualidade"? A resposta está em que precisamos de expressões diferentes para designar fenômenos distintos — nesse caso, para distinguir aqueles que contemplavam passivamente a vida, dos ativistas determinados a transformá-la. Sucintamente, Marx definira-se pela segunda posição, quando escreveu: "Os filósofos têm apenas interpretado o mundo de vários modos; a questão, porém, é mudá-lo." Intelligentsia indica intelectuais que ambicionam o poder para mudar o mundo. Sua origem etimológica é latina, passando do idioma alemão para o russo, no século XIX, e para o inglês, após a Revolução de 1917.

"Conflitos e ressentimentos ocorrem em qualquer sociedade e são resolvidos pacificamente, ou explodem em revolução, dependendo da existência ou não de instituições democráticas capazes de encaminhar reivindicações por vias legais, e da presença ou ausência de uma intelligentsia determinada a atiçar as chamas do descontentamento popular, com o propósito de alcançar o poder. É a intelligentsia radical, formada por "administradores profissionais da revolução", que transforma reivindicações específicas e, portanto, remediáveis, na intransigente rejeição do status quo. Rebeliões acontecem; revoluções são feitas.

"Mas, para que a intelligentsia consiga emergir, são necessárias duas condições. A primeira delas é a ideologia materialista, que não vê seres humanos como criaturas dotadas de uma alma imortal, mas apenas como entidades físicas moldadas pelo meio. Um tal sistema de idéias torna possível sustentar que o reordenamento moral do habitat humano possa produzir uma nova raça de criaturas perfeitamente virtuosas. Munidos dessa crença, os membros da intelligentsia justificam suas ambições políticas e são elevados ao status de engenheiros sociais.

"A segunda condição aparece nas oportunidades econômicas que asseguram independência à intelligentsia. A dissolução das classes sociais tradicionais, o aparecimento de novas profissões liberais (como o jornalismo e o ensino universitário) e, paralelamente, uma economia industrial carente de especialistas, e um público leitor culto, tudo isso somado a garantias de liberdade de expressão e associação, emancipam os intelectuais da sujeição ao establishment, habilitando-os a assumir grande influência sobre a opinião pública, seu principal meio de alavancagem, política."






JOSÉ GUILHERME MERQUIOR E AS PATRULHAS

VEJA - O senhor quer dizer que os intelectuais são muito ciosos de seus interesses de classe?

MERQUIOR - Basta ver a prática da excomunhão em meios universitários, como se cassam mandatos intelectuais no Brasil. O AI-5 intelectual nunca foi revogado. É a classe se organizando em corporação. É típica a maneira como se reage no país à polêmica. Quando um intelectual no Brasil se sente incomodado por um crítico, ele não contra-ataca as idéias do crítico, ataca o próprio crítico. Foi o que aconteceu comigo, na polêmica com a professora Marilena Lefort...


VEJA - Quem?

MERQUIOR - Aliás, Marilena Chauí, que em seu último livro psicografou trechos inteiros do francês Claude Lefort. Quando eu denunciei isso em artigo, as pessoas que vieram em defesa da Marilena procuraram desqualificar minha pessoa, a pretexto de que eu trabalho para o governo. Eu me refiro a Maria Sylvia Carvalho Franco, conhecida patrulheira ideológica paulista. Há exceções, felizmente. Eu também critiquei Carlos Nelson Coutinho, porque não me convenceu sua tentativa de provar que leninismo e democracia são compatíveis. Ele entendeu que se tratava de uma discussão de idéias. Respondeu com seus contra-argumentos marxistas. Quando isso acontece, há polêmica. Do contrário, o que se tem é um bom exemplo do clero intelectual agindo como seita. É uma das características de toda seita é o puritanismo, a intransigência no plano da conduta e o dogmatismo.


VEJA - Aonde esse comportamento pode levar?

MERQUIOR - Está levando a uma grafocracia. Criticam-se muito as várias cracias, mas não a grafocracia, termo cunhado pelo marxista austríaco Karl Renner, depois da II Guerra, para designar essa vocação moderna do intelectual para exercer o poder através do que ensina ou escreve. O mal da grafocracia é que, com ela, o humanismo deixa de ser um movimento intelectual para se transformar numa ideologia, no sentido marxista da palavra, isto é, um sistema que reflete os interesses de uma camada intelectual que se comporta como clero.


VEJA - O filósofo Claude Lévi-Strauss, depois de ensinar na USP, escreveu que no Brasil todos querem ser eruditos, mas não têm a vocação nem o mérito. O senhor se considera um erudito?

MERQUIOR - Como categoria neutra, sem dar à palavra conotações de bem ou mal, admito que em alguns trabalhos realizei um certo esforço de erudição. Mas a minha preocupação com a erudição é instrumental, quero equipar-me com ela para tratar de determinados problemas. Mas essa conversa do erudito que leu o último livro é uma bobagem. Ninguém leu o último livro. Essa época acabou na Renascença, quando as grandes bibliotecas tinham 500 volumes. A minha tem 7 000 volumes e não tem o último livro. Por outro lado, a erudição também vai ganhando um ar pejorativo serve para descartar certas idéias, um certo tipo de pensamento a pretexto de que "são coisas de erudito". A insinuação é de que existe outro saber, por graça infusa, que dispensa seus iluminados do trabalho de serem eruditos. Basta estar na posição "correta". Eu gostaria de saber quem dá esse atestado de dispensa.

VEJA - Entre a esquerda e a direita, onde é que o senhor fica?MERQUIOR - Alguém definiu admiravelmente bem as pessoas de minha posição ideológica. Foi o polonês Leszek Kolakowski, num texto que é uma pérola - "Como ser conservador, liberal e socialista". No fundo da visão conservadora, existe um elemento muito positivo, que consiste em acreditar que nem todos os males humanos têm causas sociais, sendo portanto elimináveis através de mudanças sociais. Do lado liberal, a idéia básica, também verdadeira, é que a finalidade do Estado é dar segurança, sem esclerosar a sociedade com um sistema demasiado refratário à iniciativa individual. Enfim, o socialismo tem de válida a idéia de que o pessimismo antropológico, por trás da posição conservadora, não deve ter o poder absolutista de evitar as reformas sociais citadas pelo reformismo esclarecido.
VEJA - Trocando em miúdos...MERQUIOR - ...Eu me sinto um pouco um iluminista. Tenho confiança no progresso, acredito no progresso pela racionalidade. Essa crença já foi característica dos socialistas, mas hoje os socialistas mais sofisticados abandonaram seu compromisso histórico com o evolucionismo, direita e esquerda ficaram muito parecidas nesse aspecto: o repúdio aos tempos modernos. Adorno, que se proclamava neomarxista, chamou nossa época de satânica. No século XVIII, quem acreditava no progresso eram os filósofos. Atualmente, intelectual que acredita no progresso é coisa rara. Hoje em dia, quem acredita no progresso, felizmente, são as massas.

http://veja.abril.com.br/especiais/35_anos/ent_merquior.html
 


O PENSAMENTO CONSERVADOR


O QUE É SOCIALISMO? O SOCIALISMO REAL, CRIMES E ARGUMENTAÇÕES DESONESTAS - OLAVO DE CARVALHO
*

REVOLUÇÃO DE INTELECTUAIS - PATRULHAS IDEOLÓGICAS - JOSÉ GUILHERME MERQUIOR


O PRAZER REVOLUCIONÁRIO DA DESTRUIÇÃO - O SONHO DA RAZÃO PRODUZ MONSTROS



*

 

Um século de Aron – O combatente da liberdade

 

“Os intelectuais radicais não querem compreender nem transformar o mundo, querem denunciá-lo”.
 
Raymond Aron.
 
Raymond Aron nasceu em 14 de março de 1905, em Paris, e é natural que hoje os liberais lembrem-se dele como o grande combatente das liberdades, um dos mais atuantes na França do século passado, país dominado por Sartre, Merleau-Ponty, Lévi-Strauss, entre outros pensadores esquerdistas de peso.
 
A vida de Aron, que completaria 100 anos se estivesse vivo, foi um combate só. De início, homem de esquerda como Sartre, ao lado de quem estudou na Escola Normal Superior, na Rue d´Ulm (Paris), tornou-se, no seu tempo, para além de ativo professor universitário e jornalista, intérprete privilegiado dos fenômenos políticos e sociais à luz de vastos conhecimentos históricos, econômicos e sociológicos. A descrença em relação ao socialismo e, em especial, ao comunismo, levou-o a polêmicas ferozes com representação expressiva da “intelligentzyia” francesa, que nunca o perdoou pelo fato de, entre o culto à União Soviética de Stálin e a defesa dos Estados Unidos, postar-se ao lado dos americanos, chegando mesmo a articular, na ordem prática das coisas, a marcante Aliança Atlântica - uma barreira contra o expansionismo comunista que no pós-guerra dominava metade da Europa e ameaçava tomar o continente inteiro. Pensando em Aron, o amigo de quem se tornou rival, Sartre escreveu: “Todos os anti-comunistas são cães”.
 
Mas Aron conhecia o comunismo de sobra e, a despeito de justificativas criadas nos salões da aristocracia esquerdista, não imputava os males do regime totalitário apenas ao stalinismo. Melhor que ninguém, virou pelo avesso a obra de Marx, a quem dedicou livro minucioso, “O Marxismo de Marx” (Editora Arx, 2004) nela descortinando a sintomatologia do universo concentracionário que acompanha o pensamento (totalizador) do pai do “socialismo cientifico”. O próprio Aron confessa, no prefácio do livro, que atravessou 32 anos de sua vida estudando os escritos de Marx, para chegar a uma conclusão sobre o comunismo: “Creio não haver doutrina tão grandiosa no equívoco, e tão equívoca na grandeza. Foi por isso que a ela dediquei tantas horas...
Ao pensador que viveu precisos 78 anos, nunca faltou a energia e a capacidade de expressar a avaliação do mundo que o cercava. Entre milhares de artigos, depoimentos e entrevistas, escreveu livros fundamentais para a compreensão crítica dos fenômenos sociais e políticos. De fato, em obras como “Introdução à Filosofia da História” (Gallimard, 1938), ensaio contundente sobre problemas teóricos do conhecimento histórico; as “Dezoito Lições sobre a sociedade industrial” (Gallimard, 1962), que traça o perfil positivo da sociedade industrial no Ocidente; o percuciente “Paz e Guerra entre as nações”, estudo sobre a raiz dos conflitos bélicos na democracia e nos sistemas totalitários; o instigante “De uma sagrada família a outra” (Gallimard, 1969), coletânea de ensaios sobre os marxismos imaginários e, sobretudo, em “Plaidoyer pour l`Europe decadente” (Robert Laffont, 1977), livro nunca editado no Brasil, mas que faz a lúcida defesa da civilização ocidental - Raymond Aron justifica plenamente o porquê do antagonismo sartreano e a extraordinária dimensão que atingiu na história do pensamento moderno.
 
No contundente “O Ópio dos Intelectuais” (1955), publicado no Brasil em 1980 pela UnB, escrito antes do degelo do regime socialista, Aron desmonta com precisão de relojoeiro os mitos da esquerda, da revolução e do operariado, desarticulando, com argumentos substanciais, a impostura do que chama “ideocracia” – o despotismo do preconceito ideológico – e, por extensão, a conhecida figura do “ideocrata” – o burocrata possuído por ideologias totalitárias. Neste particular, chega à perfeição traçando o perfil do intelectual que assume o papel de “confidente da providência”, o tipo que se vende como defensor dos dominados e entoa (em nome da “moral histórica” que diz ser portador) loas em torno de um mundo “mais justo e fraterno que virá no futuro” – e para o qual, na prática, nada tece além da pura “festividade”.
 
O solitário Aron - que repudiou o marxismo existencialista/irracional de Sartre e o “sintomalismo” de Althusser (o homem da “teoria lacunar”, que lia os “silêncios” de Marx) -, a despeito de admitir o contrário, representou muito mais do que mero “espectador engajado” (como chegou a auto-definir-se numa série de entrevistas que fez para a televisão e ensejou livro com o mesmo título de Jean-Louis Missika e Dominique Wolton, publicado pela Nova Fronteira, em 1982). Na realidade, além de bom combatente liberal, ele ajudou a entender como nenhum outro pensador europeu o problemático século 20 – com destaque, em retrospecto, para temas como a França dos anos 30, a segunda grande guerra, a guerra fria, a descolonização, o degelo soviético, a era da “coexistência pacífica”, a guerra do Vietnã, o maio de 68 – aprofundando a reflexão sobre a contradição existente entre liberdade e igualdade – sem jamais deixar de assinalar, sempre com ironia, que o império soviético, ambicionando as duas coisas, excluiu a liberdade sem ao menos “sintonizar” a igualdade. De fato, mais do que testemunha, Aron atuou firmemente no campo da discussão das idéias, na análise da evolução do pensamento contemporâneo e na reflexão dos grandes acontecimentos do seu tempo.
 
Como arauto da liberdade, o autor de “Histoire et dialetique de la Violence” encontrou na filosofia liberal “o sistema de valores que podia estruturar um modelo de ação”. Para ele, o liberalismo, respeitando o pluralismo das idéias e privilegiando o empirismo na análise e na ação, representa ainda o sistema “menos mau” para orientar o exercício da política. De resto, o pensador de origem judaica considerava que a atividade política não representa obrigatoriamente a luta entre o bem e o mal mas, sim, a escolha entre o “preferível e o detestável”. Pessoalmente, como liberal convicto, procurou mobilizar a crença na força da iniciativa individual, na livre concorrência e na importância da sociedade industrial - esta, como se sabe, permanentemente satanizada pelos fetichistas da “alienação”, a idéia proposta por Marx, exaustivamente explorada pela Escola de Frankfurt.
No seu livro mais cativante, “Memó ;rias” (Nova Fronteira, 1986) , publicado pouco antes de morrer, de leitura obrigatória para quem deseje vislumbrar com objetividade os principais acontecimentos do século XX, Aron confessa a grande influência que recebeu do pensamento alemão, em especial do historicismo de Max Weber, o sociólogo para quem o cientista social deve distinguir com rigor “aquilo que é do que deveria ser”, afirmando, como corolário, que nenhuma compreensão histórica e social está completa se não incluir a dimensão religiosa, política e moral dos agentes humanos.
 
Neste particular, embora “movido” pelo conceito da neutralidade que Weber considera preponderante para o alcance da objetividade do conhecimento nas ciências políticas e sociais, Aron, discordando do mestre, entendia que a “objetividade” da descrição não é garantida nem pela neutralidade, que considerava impossível, nem mesmo pela verdade dos fatos pois, segundo ele, “pode-se muito bem compor um retrato falso com fatos verdadeiros”.
Os pensadores mais afinados com a ortodoxia do liberalismo econômico encaram como “excentricidade” um certo distanciamento de Aron ao “individualismo metodológico” (adotado, na sua inteireza, por outro liberal convicto, o prêmio Nobel Friedrich von Hayek), que compreende os fatos sociais e suas explicações como estritamente decorrentes da conduta dos indivíduos - em contraposição, por exemplo, ao “holismo” de Karl Popper, com a visão sistêmica dos “conjuntos sociais”, em que a sociedade funciona por si mesma.
 
Aron não se inquietava com a questão. Ele admitia a linha da ambigüidade como resposta à supremacia das metodologias “holísticas” ou “individualistas”. No caso, essa postura parece explicar-se pelo fato do pensador, antes de se dedicar aos estudos isolados das questões econômicas, ter sido uma mente exercitada na análise da sociologia e da história, o que, no entanto, não excluía a crítica aberta ao planejamento econômico dos estados totalitários, de certo modo preconizada na concepção marxista de que “a natureza real do homem é a totalidade das relações sociais”.
 
Depois de mais de vinte anos de sua morte, ocorrida em 1983, a vasta e eclética obra de Aron continua a cada dia mais viva e atual. É difícil apontar, hoje, qual seria o seu substituto como interprete (e contendor) liberal sensível e polivalente. Outro importante pensador francês, Jean-François Revel, ensaísta liberal dos mais férteis e autor de obras analíticas do porte de “A Tentação Totalitária” e “Nem Marx nem Cristo”, e ainda o inglês Paul Johnson, historiador dos mais completos e ambiciosos do século, são dois nomes consideráveis para enfrentar os desafios das análises dos fenômenos econômicos, políticos e sociais que se avolumam diante dos nossos olhos. Mas terão eles, isoladamente, a argúcia, a abrangência e a originalidade de Aron?
 
A resposta pertence ao leitor.

*
Os Intelectuais e o Poder
Intelectuais a serviço do poder, ou intelectuais assumindo o próprio pode

No último capítulo do seu livro O ópio dos intelectuais, Raymond Aron faz essa interrogação: “Fim da idade ideológica?” Após analisar os vários aspectos dos conflitos ideológicos, no confronto Estados Unidos e União Soviética, a criarem um contra o outro sistemas supranacionais e sustentado que “Liberalismo e Socialismo continuam inspirando convicções, animando controvérsias”, traz essa afirmação bastante significativa para os nossos tempos: “As revoluções do século XX não são proletárias, são pensadas e introduzidas por intelectuais”.

*

O ÓPIO DOS INTELECTUAIS
 
Continuando a resenha do livro "O Ópio dos Intelectuais", de Aron, não pode nos escapar o trocadilho que ele fez no título com a famosa frase de Marx, de que "a religião é o ópio do povo". Aron não o fez por acaso: para ele o marxismo assumiu uma forma de religião secular, abraçada pela "intelectuária" do mundo.



 
 
*
 
 Sobre Valores – Maynard Marques de Santa Rosa

"Quando um país se encontra à deriva, a vítima principal é a confiança, um ingrediente vital. Sem ela, grassa a insegurança e falta crédito na economia. Sem crédito, não há investimento. E sem investimento, não há progresso, nem emprego.
"O revisionismo cultural produzido pela opinião ideológica é antinatural e corrosivo. A Dra. Marie Louise von Franz concluiu, na década de 1950, que: “O sucesso da propaganda provoca uma repressão das reações inconscientes. E a repressão da massa leva à dissociação neurótica e à enfermidade mental, já que está em oposição aos nossos instintos
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário